Em determinadas ocasiões, nos deparamos com uma pergunta simples: “quem sou?”. De certo, essa pergunta pode ser simples, ainda que abstrata. Talvez sejamos o resultado das decisões que tomamos. Decisões essas que, podem ser boas ou ruins. De sorte que, o resultado das nossas escolhas ao longo do tempo, podem dizer quem somos ou quem nos tornamos. Me permita contar minha história, para que você possa descobrir quem sou.

Meu nome é Márcio Tognere Gonçalves, mas pode me chamar de Márcio ou de Tognere. Nasci em Cachoeiro de Itapemirim. Minha carreira começou em novembro de 2010. Eu estudava na escola municipal da minha cidade chamada Anacleto Ramos. Estava no último ano do ensino fundamental. Tinha apenas 14 anos. Como nessa escola não havia ensino médio, tive que preencher uma ficha de transferência. Nessa ficha eu tinha que optar por três escolas, caso houvesse vaga na escola, seria possível fazer a matricula. Eu queria muito ir para a escola estadual Presidente Getúlio Vargas. Acabei conseguindo.

No ano seguinte, em janeiro de 2011, fui com minha mãe fazer a matricula na minha nova escola. A senhora que estava fazendo minha matricula perguntou se eu tinha interesse em fazer um cursinho. Eu poderia escolher por informática ou logística. Como eu não fazia ideia o que era logística, eu escolhi por informática. Por ser de graça não perdi a oportunidade. Algumas semanas depois do início das aulas, descobri que não era apenas um simples cursinho. Era um curso técnico de informática. Confesso que me assustei um pouco no início.

A minha aula favorita era do professor Alexandre Lima. Que mantenho contato pela internet até hoje, apesar do tempo. É um professor que eu amo e guardo com muito carinho seus conselhos. Ele dava aula de lógica de programação com Pascal. No início não conseguia enxergar a utilidade da programação. Mas eu me sentia bem em digitar códigos ao qual outros colegas não entendiam. Eu me sentia o máximo.

Honestamente, não acho que o curso tinha reputação ilibada. Mas, apesar da falta de qualidade, eu supri a deficiência do curso buscando conhecimento por conta própria. Muitas vezes quando os professores falavam que iriam ensinar determinados assuntos, eu chegava em casa e aprendia sozinho. Isso me fez desanimar das aulas. Pois, quando o professor ensinava um assunto, eu já sabia muito mais do que o ensinado. Mas, apesar de tudo, me formei em 2013 como técnico em informática integrado ao ensino médio.

Esse curso foi muito importante para conseguir meu primeiro estágio. No dia 01 de agosto de 2013 dei início no Centro Universitário São Camilo. Inicialmente ficava no acesso livre (um laboratório destinado aos estudantes da instituição para utilizar computadores a fins acadêmicos). Minha função era garantir que as máquinas estariam em pleno funcionamento. Como meu desempenho foi exemplar, mudei de função no setor de informática. Passei a atender chamados dos funcionários da instituição. Consegui solucionar problemas envolvendo consertos de computadores, formatação de sistemas operacionais, falhas na rede, problemas com impressoras, entre outras coisas. Aprendi muito com o Douglas Taylor (meu supervisor).  

Certa vez, outro estagiário chamado Amadeus Delfino me mostrou uma distribuição Linux chamada Debian. Me mostrou como funcionava o sistema Linux. Me apresentou o terminal e achei tudo fascinante. A tela preta com letras verdes me chamou a atenção. Cheguei em casa e instalei o Ubuntu (outra distribuição Linux) para aprender. Não me julgue, mas o papel de parede dessa distribuição me encantou.

Como não sabia se havia passado nas faculdades que me inscrevi, tive que sair do estágio (legalmente o estágio só pode ser prorrogado, caso o estudante esteja matriculado em alguma escola).

Para não ficar parado, em janeiro de 2014 comecei a aprender coisas de informática na internet. Certo dia, Fernando Cristo, o esposo da minha prima, me fez uma ligação. Perguntou se eu sabia PHP, pois, ele precisava que alguém fizesse um site. Eu disse que sim. Eu menti. Não sabia. Mas, eu queria muito o dinheiro. Fui na internet e com um mês aprendi PHP e entreguei o site para ele. Ganhei 500 reais. Foi incrivelmente divertido.

No mesmo ano veio os resultados das faculdades que havia me inscrito. Eu tinha uma meta. Queria fazer faculdade. Não importava onde, só não podia pagar. Acabei passando na UFF, IFES e UFES. Optei pelo IFES por ser mais próximo da minha casa. Assim, dei início ao curso de Sistemas de Informação.

No curso tive a oportunidade de conhecer o melhor professor da instituição. Flávio Izo. Uma pessoa incrível. Que vai muito além de um professor que apenas te ensina. Um amigo.

Dentro da faculdade descobri tecnologias diferentes. Mas muito além disso, conheci diversos alunos. Aos quais tive a oportunidade de trocar experiências. Colegas esses que tive o prazer de passar momentos fantásticos. De todos os colegas que conheci, três em especifico se tornaram amigos. Lucas Vinco, Wander Domingos e Fernando Garioli.

Eu e Lucas sempre conversamos sobre tecnologias, mas, faltava a oportunidade de usá-las. Mas, em dezembro de 2015 o IFES abriu um edital chamado PROAPLIC aos alunos do IFES. Esse edital exponha os principais problemas do instituto em diversos aspectos. Entre eles o tecnológico. Através desse edital pudemos competir com outros alunos no desenvolvimento de uma solução para o setor de protocolo. Foi apresentado a aplicação que desenvolvemos utilizando PHP ao IFES. E ao final do projeto, o IFES nos concedeu menção honrosa pelo desenvolvimento do sistema de controle de protocolos para a instituição de ensino. Abrimos mão das férias para desenvolver o sistema, mas foi gratificante.

Eu atribuo esse sistema como a porta de entrada do meu estágio na Dataci. Uma empresa de tecnológica ligada a prefeitura, que desenvolve sistemas utilizados por grande parte do município. Apesar de inicialmente atuar especificamente com PHP, tive a oportunidade de aprender e atuar com diversas tecnologias que ouvia falar em eventos de informática e/ou na faculdade. Tive a oportunidade de participar no desenvolvimento e manutenções de sistemas que são utilizadas por grande parte da população de Cachoeiro de Itapemirim. Atuando com PHP, ScriptCase, Html, Css, JavaScript, Git e PL/SQL. Uma das minhas tarefas favoritas atuando na Dataci é manipulação de dados com a grande base de dados que a empresa possui. Tive o prazer de desenvolver Functions, Triggers, Sequences, Views, criações de tabelas e inúmeros relatórios.

Na Dataci amadureci muito profissionalmente. Sou muito grato a todos da empresa que colaboraram para o meu crescimento. Principalmente Isabella Lopes, Gustavo Menezes, Marcelo Tadeu, Rodrigo Louback, Alcione Dias, Miter Mayer, Claudio Miguel, Felipe Santos,  Jocimar Fernandes e Beatriz Freitas.  Pessoas incríveis as quais eu amo muito. Tenho imensa gratidão a eles. Sempre me tiraram diversas dúvidas. São profissionais admiráveis.

Talvez, não tenha conseguido dizer “quem sou”, mas “quem fui” possa mostrar “quem me tornei hoje”. Nem sempre fiz as melhores escolhas. Mas nunca me arrependi delas. Todos os sucessos e fracassos fazem parte da vida e te ensinam algo bom para aprender. Tenho uma jornada longa pela frente. Se você fez parte da minha história, muito obrigado. Se não fez, o futuro é algo imprevisível.